segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Luxuria


Dobro os joelhos
Quando você me pega, me amassa, me quebra,
Me usa demais
Perco as rédeas
Quando você demora, devora, implora sempre por mais
Eu sou navalha cortando na carne
Eu sou a boca que a língua invade
Sou o desejo maldito e bendito, profano e covarde
Disfaça assim de mim
Que eu gosto e desgosto, me dobro,
Nem lhe cobro rapaz
Ordene e não peça
Muito me interessa a sua potência, seu calibre e seu gás
Sou o encaixe, o lacre violado
E tantas pernas por todos os lados
Eu sou o preço cobrado e bem pago
Eu sou um pecado capital
Eu quero é derrapar nas curvas do seu corpo
Surpreender seus movimentos
Virar o jogo
Quero beber o que dele escorre pela pele
E nunca mais esfriar minha febre


Música de Isabella Taviani
Imagem: Mike Ruiz

2 comentários:

AMRITA PAKI disse...

Mas que fogo é esse que arde sem se ver? Arebaba!

Maria José disse...

Elayne, minha amiga. Estou simplesmente amando esses versos, esse blog apimentado, cheio de desejos. É isso ai, que vença o amor. Beijos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...